-

Eu amo livros nacionais - Li Mendi


Oi pessoal, tudo bem?
Hoje escolhemos mais uma escritora para nossa entrevista, Li Mendi foi a primeira parceira do blog, já temos resenha de uma dos livros dela aqui, uma super autora nacional que possui vários livros.
Mais informações da escritora no blog ou no site. Vamos conferir a entrevista e dicas da autora,

Encontre a escritora:

Site - E-mail: li@limendi.com.br - Facebook - Fanpage
instagram: @autoralimendi - twitter: @limendi

Se pudesse trazer algum dos seus personagens a vida qual seria e por quê?
Eu seria a Nic de A verdadeira Bela. Ela é publicitária e vive no mundo das agências. Como é minha profissão, rs, adoraria viver no cenário dela. Mas, já tenho meu Fernando rsrs. Antes que ele fique com ciúme!

Quando começou a escrever seu primeiro livro você imaginou que ele seria publicado e que estaria sendo  lido por muitos leitores?
Não! Escrevia totalmente por hobby. Hoje, fico feliz e grata pela vida ter aberto caminhos para mim. Mas, também me preparei, suei a camisa e dei tudo de mim para estar pronta “nesta estrada” até chegar a ponte que levou a concretização do sonho. Não dá para sentar e esperar. Sonho tem mais a ver com trabalho duro do que só com talento e sorte, sabe?

Na criação dos personagens você teve alguma dificuldade ou eles foram inspirados em conhecidos?
No caso de A verdadeira Bela, foi fácil, porque como eu disse, ela era publicitária. Mas, quando escrevi Coração de Pelúcia, tive que mergulhar um pouco no mundo sem imagem de uma pessoa cega. Meu novo desafio será lançado na Bienal de Sp esse ano: O cozinheiro do Amor, em que a Maísa é surda. Sempre gosto de trabalhar com a profundidade dos sentidos.

Você acha que por ser autor/autora nacional as dificuldades são maiores? Tanto no mercado quanto com os leitores.
Dificuldade de escrever é igual para todos os autores: tempo curto, falta de criatividade uns dias, preguiça às vezes, etc. Temos que criar rotinas, agenda e etc. Mas, como aqui no Brasil não dá para viver de livros no começo, é necessário dividir o tempo entre trabalho e escrever. Depois, alguns conseguem viver das vendas dos livros. Não é meu caso ainda (ainda! Rs). Mas, isso não me limita sonhar –trabalhando duro, como falei antes-. Acho que estarei no caminho pronta quando cruzar com esta ponte também.

Como você se sentiu quando recebeu uma mensagem positiva de um leitor pela primeira vez?
Estranho. Claro que feliz. Mas, é como se não fosse “nada demais” e, de repente, a pessoa precisa mais e mais da história que tem que sair de dentro de você. Então, é como se para mim fosse normal e alguém estivesse super feliz com ela... É estranho. Legal, mas, tipo, não sobe nunca a minha cabeça. Continuo me achando bem pequena, cheia de coisas para aprender e com pés no chão.
Ficava mais triste quando via o oposto. Algumas blogueiras que pegavam o livro e escreviam barbaridades. Estava nítido que não tinham lido tudo ou até mesmo que não gostavam do gênero. Mas, usavam meu livro para fazer um post super agressivo para ganhar audiência e causar buzz.
Não compartilho, não bato boca nas redes, nem fico colocando oxigênio nisso. Quem age assim, se aproveitando de um autor e sua obra para falar de forma tão pouco profissional, vai rapidamente ficar para trás e não dura muito tempo.
Já escrevo na web há 10 anos e já vi tantos blogs nascerem e morrerem. E o que mais os sustentam é o esforço do autor e seu profissionalismo. Poucos tem. Respeito acho que é imprescindível.

Já teve vontade em algum momento de desistir do livro e começar do início?
Sim. Será uma vez 2. Meus leitores não gostaram e recomecei do zero. O personagem masculino narrava seus pensamentos mais duros e íntimos e não foi aprovado. Então, recomecei a história do zero ao vivo. Deletei o que tinha feito e recomecei.

Você sempre quis escrever o gênero romance? Pretende se arriscar em outros?
Sim! Quero escrever um de crônicas da vida e de auto-ajuda. To muito com isso na minha cabeça. Parece que leu meus pensamentos!

Tem alguma mensagem para futuros escritores?
Ame escrever, mas, saiba que nem tudo é amor. Tem que escrever sem vontade, fazer exercício físico para ficar bem acordado e forte depois do trabalho, ler pra caramba, baixar aí livros de dicas para novos autores (A Amazon está lotada), fazer uma excelente revisão ortográfica, aprender a criar estrutura de roteiros (há livros que ensinam) e se auto-publicar (Kindle está aí!) se não achar editora. Não deixe seu sonho de lado se não ganhar dinheiro no começo. Toque isso em paralelo com a faculdade, filhos, baladas, com sua vida! E, se quiser saber mais, acompanha meu blog vida de escritor blog.widbook.com/column/vida-de-escritor/

Nicole está prestes a entrar para uma agência de publicidade famosa e lá enfrentará o conflito entre a autoimagem e a visão distorcida dos seus colegas a seu respeito. A pressão
psicológica que acontece com bullying nas redes sociais será vencida por um grande amor, que surge para fortalecê-la e protegê-la de todos os preconceitos.
Fernando é admirado por seu dinheiro e poder, mas, no fundo, luta contra uma secreta baixa autoestima. Com medo da própria imagem que forma no olhar do outro, ele se critica e se fecha. Até que um dia seu caminho se choca com o de Nicole e os dois aprendem juntos que o amor não é cego. Ele vê com clareza o que nem todos veem: a verdadeira beleza completa do ser amado.
Com muito bom humor, este livro irá tomá-lo do começo ao fim e envolvê-lo em uma estória que fala de um homem tentando entender o seu passado e de uma garota lutando pelo seu futuro. De repente, os dois se veem um de frente para o outro e descobrem a essência de um amor eterno.

Espero que tenham gostado, um grande beijo e até a próxima -> 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...



Layout: Natana Duarte | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©